quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Nasce uma sombra... Parte I

"...Chorava tremendo em silêncio, com seus olhos estalados espiando por baixo da pele de cabra que a cobria naquela noite fria! Não sabia o que fazer, era ainda uma criança. inúmeras vezes vira seu pai embriagado chegar em casa, bravo por perder nas mesas de dados, ou porque não arranjava comida, ou até mesmo por não ter motivos para estar bravo. Mas naquele dia foi diferente... não sabia o que fazer! 

Aquela cena á frente da lareira crepitante projetava as sombras sobre a madeira podre que era a proteção de sua casa. Via seu irmão menor, gemendo com uma adaga atravessada em seu peito, com seu corpo franzino caído aos pés do pai, e aquela sombra gigantesca agarrando sua mãe pelo pescoço elevando-a do solo a quase meio metro de altura. Gemendo, rosnando, como uma fera, uma melodia fúnebre comparada aos gemidos de sua mãe que lutava com bravura aos tapas e chutes por sua vida. 

Então gritou, ao ouvir aquele som de algo quebrando ou estalando e o corpo inerte de sua mãe pendendo daqueles braços fortes e sujos. Ele a soltou ao chão como quem solta o corpo de alguma caça ao terminar a esfola. E assim, pisou por cima deste e deslocou-se até aonde estava Annya, que, apavorada agarrou-se nas peles e espremeu-se contra a parede, sem nada o que fazer. Com uma mão arrancou-lhe as peles e com a outra agarrou-lhe também o pescoço e a levantou... Ao mesmo tempo que atirou-a  em um grito monstruoso, e virou-se com fúria! 


Meio zonza, ela viu que o homem amassava a cabeça do irmão aos pisões até sobrar somente um sumo vermelho sobre seus ombros... ao piscar novamente ela o viu segurar uma adaga cravada em sua perna e arrancá-la com fúria, no mesmo instante que mais uma vez a buscava pela casa até seus olhos se encontrarem. Ele então, arrastando sua perna investiu contra a garota.

Annya apavorada, tentou correr até a porta mas o homem a alcançou antes, e em um tapa jogou-a ao chão. Ela abriu seus olhos e via a sua frente apenas a lareira, porém sentiu algo em sua mão. Havia caído sobre os ferros de brasa... Num momento, instintivo, ela cerrou sua mão no ferro e levou ao corpo do homem enquanto ele a puxou mais uma vez buscando seu pescoço. E assim, por alguns instantes tudo silenciou-se... ela jazia de olhos fechados sentindo as mãos a agarrando, mas sentia também o calor que chegava em suas mãos agarradas no aço era... o sangue daquele monstro que matara sua família... 

Então ele caiu de joelhos soltando-a e após, tombou ao chão... Annya ficou em pé, observando aquela cena, ainda sem entender muita coisa... Após alguns instantes, ela caiu ao chão e adormeceu!"


Continua...!

Arte: dark__shepherd 

4 comentários: